A Prefeitura de Sete Lagoas e o SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) vão contratar auditoria técnica especializada e independente para apurar em quais condições as empresas Collents e a JB Engenharia – esta, responsável pela fiscalização –  entregaram à gestão do então prefeito Márcio Reinaldo Dias Moreira (PP) as obras da Estação de Tratamento de Água, orçada inicialmente em R$ 72 milhões e concluída em R$ 175 milhões. A investigação também terá por objetivo saber por que o município recebeu a ETA. Hoje, entre outros problemas, há rachaduras em tanques e tubulações.

A auditoria foi anunciada em conjunto pelo prefeito Leone Maciel (PMDB) e o diretor-presidente da autarquia, Aluísio Barbosa Jr. “Toda obra de engenharia civil tem que oferecer 5 anos de garantia”, lembra o presidente do SAAE. “Dependendo das conclusões da auditoria, o Município de Sete Lagoas acionará o Ministério Público. Como os recursos foram repassados a título de empréstimo pelo BNDES, recorreremos ao Ministério Público Federal”, afirma o atual prefeito.

A Estação de Tratamento de Água não completou um ano de funcionamento. A ETA foi inaugurada oficialmente em 17 de junho de 2016, de acordo com a placa de identificação da obra: ETA e Adução de Água Tratada e Sistema Rio das Velhas. É do Rio das Velhas que vêm as águas que abastecem parcialmente Sete Lagoas. Com capacidade para vazão de 500 litros por segundo, hoje a ETA busca, trata e oferece água para a cidade na ordem de 140 litros por segundo. Para o prefeito Leone Maciel, a água é de qualidade, mas a ETA é deficitária economicamente.

De acordo com a engenheira ambiental e técnica química do SAAE Gilcélia Justino Teles Barbosa, “a reservação é deficiente, pois apenas uma das cinco bombas funciona atualmente”. Isso significa que a ETA trata e disponibiliza 150 litros de água por segundo. Segundo o projeto original, seriam 500 l/s. Outro problema é o bombeamento elétrico. Se faltar energia, a ETA pára. “Não há gerador de energia”, informa a engenheira. A estação era para ser automatizada, mas não é, acrescenta Gilcélia Barbosa. Isto é, a operação é manual.

Por outro lado, a qualidade da água que chega aos consumidores finais está de acordo com as normas da Portaria nº 2.914 do Ministério da Saúde. “Tanto a Vigilância Sanitária Estadual quanto a Vigilância Sanitária Municipal fiscalizam a qualidade da água”, garante Gilcélia Barbosa. E os procedimentos técnicos para dar a devida qualidade à água também seguem os padrões da Resolução nº 352 do CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente), assegura a engenheira do SAAE.

No entanto, as dúvidas sobre a qualidade das obras da ETA permanecem e a auditoria será feita. Quando? “Imediatamente”, responde o presidente do SAAE Aluísio Barbosa Jr.

Reportagem: Caio Pacheco

     Aloísio Barbosa, presidente do SAAE
Prefeito Leone Maciel e o Vereador Zé do União
Erosão Ameaça estrutura da rede de captação de água.

 

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais da Redação
Carregar mais Featured

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.Campos marcados são obrigatórios *

Veja Também

PM PRENDE ASSALTANTE EM SETE LAGOAS

PM prende assalto de loja esportiva …